Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Blog Archive

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

12 de maio de 2013

Filme: Ruby Sparks - A namorada perfeita


                                                                                        


Título do filme: Ruby Sparks - A Namorada Perfeita
Lançamento: 12 de outubro de 2012
Duração: 1h 44 min
Dirigido por: Jonathan Dayton, Valerie Faris
Com: Paul Dano, Zoe Kazan, Chris Messina...
Gênero: Comédia Romântica, Fantasia
Nacionalidade: Estados Unidos
Sinopse e trailer


Minha opinião: Assisti o filme há um tempão, mas resolvi fazer a resenha só agora. Quando vi que meu pai tinha locado o filme - sim, ele ainda faz isso hahaha -, logo pensei: "Ah, pai, que título idiota! Vai ser a mesma coisa de sempre, as mesmas coisas clichês e blábláblá". Mas gente, não é!!!!! Sério, não é! Vou contar porque não é.
   Primeiro, porque o filme já começa perfeito: o protagonista, Calvin, é escritor. E um escritor renomado ainda! Só que ele está com dificuldades para escrever seu próximo livro, sofrendo de um bloqueio, chegando a frequentar um psicólogo.  E é aí que ele cria Ruby Sparks, a personagem de seu livro. Ele inventa tooooooda a vida da mulher, sua idade, data de nascimento, a cidade onde nasceu, quantos namorados teve, como eles eram... uma infinidade de coisas. E eis que Calvin se apaixona pela própria personagem! É isso gente, ele se apaixona e se vê doido, não para de escrever sobre ela e tudo o mais. 

   No começo, ele pensa estar louco. Mas aí, quando percebe que todos conseguem vê-la, acredita. Tudo o que ele escreve a partir daí, sobre Ruby, acontece, absolutamente tudo! Ele pode controlar seus desejos e sentimentos, toda a hora, basta apenas escrever.
   Por mais que o filme pareça fantasioso, é reflexivo também. Por um lado, podemos analisar a situação dos escritores, quando precisam "inventar" um personagem e estão sempre o reescrevendo e adaptando-os, é isso que Calvin faz com Ruby, fazendo-a parecer perfeita. É claro que na vida real isso não é possível, mas, às vezes tentamos controlar o que as pessoas falam e até tentamos mudá-las.

   O que Calvin fez no filme foi procurar a namorada perfeita - daí o título do filme -, e, como não a encontrou na "vida real", a criou e a imaginou, a idealizou e ela meio que "viveu". 
  Fiquei ansiosa pelo final do filme e muitas vezes confusa, crendo até que Ruby pudesse mesmo existir, afinal, todos a viam. No final, é difícil concluir se Ruby existe ou não, mas uma coisa eu aprendi: Não podemos controlar o sentimento das outras pessoas e nem fazer com que elas pensem como nós; somos todos diferentes e devemos aprender a conviver com as diferentes opiniões e gostos. Idealizar um sentimento que não existe pode até fazer bem ao ego por algum tempo, mas depois, quando "caímos na real", percebemos que o que conseguimos foi apenas machucarmos.
   Uma curiosidade sobre os diretores do filme: São os mesmos diretores do filme Pequena Miss Sunshine, filme de 2006, ganhador de dois Oscars e indicado para quatro.


Quote:




Classificação: 

Beijos,
Renata.

Um comentário:

  1. Estou querendo muito ver esse filme, minha irmã mais velha e minha prima adoram!
    Adorei o post!
    Beijos,
    Aninha

    http://blogamantesdelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir

A leitura é uma porta aberta para um mundo de descobertas sem fim. - Sandro Costa

Obrigada pela visita. Sinta-se a vontade para dar sugestões, fazer críticas ou elogios!