Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

28 de julho de 2014

Resenha do livro Claro que te amo! - Tammy Luciano



Olá, queridos! Quantas saudades senti de voltar aqui, ao espaço, e receber calorosamente esse carinho de compartilhar mais novidades da nossa literatura. Vamos lá, conhecer um pouco do trabalho da Tammy Luciano, que tive a feliz oportunidade de ler e, honestamente, minhas impressões sobre o seu trabalho não poderia ser diferente.

Tammy Luciano é uma autora nacional que dispensa qualquer comentário. Com o currículo vasto, que conta com outros trabalhos literários, entrevistas engraçadíssimas em programas de TV e participação ativa na vida dos seus leitores, Tammy divide o seu tempo entre o amor incondicional pela arte de escrever e os vários eventos para os quais é habitualmente convidada. Seja como autora, amiga, conselheira amorosa ou diplomata das melhores relações, ela se sobressai com o sorriso contagiante, com sua simpatia incomparável e sua preocupação com questões que dizem respeito à literatura nacional, sendo uma inspiração por conta de suas conquistas e da sua brilhante caminhada sempre polvilhada de sucessos e boas ideias.

Bem, o amor que Tammy Luciano dedica a questões particulares de sua vida não é “um livro fechado” conforme pensam alguns, pelo contrário. O seu amor pela forma e dinâmica da realidade dos acontecimentos é uma atividade constantemente retratada em seus livros, motivos que valorizam ainda mais a sua técnica. Não poderíamos enxergar outra coisa em Claro que te amo! (Editora Novo Conceito), senão a entrega completa da autora à sua personagem Piera que – longe do nome incomum – é um brilho que ofusca o comportamento do próprio leitor. Piera é a personificação e a caricatura de uma jornada cheia de desvios, típica do mundo que cerca os adolescentes e suas manias. Piera é alguém que supera qualquer obstáculo, atravessa oceanos para conquistar o que quer e, mais ainda, é dona de uma personalidade forte, poderosa e intuitiva, que não escapa de uma mera observação. 

Talvez, o ponto que costura de modo conseqüente o resultado da cadeia de acontecimentos que se sucedem na vida da Piera é exatamente o afinco, a insistência e certeza de que nada poderá anular a sua fugacidade.

 Até que, obra do destino ou não, as estruturas do seu conformismo é abalado pela notícia do casamento do ex-noivo, André, um relacionamento sólido que, por força das próprias desgraças, chega ao fim, deixando para a pobre Piera um legado de tristezas, de dor e um poço de pensamentos infelizes. Esses episódios acompanham o leitor durante a maior parte da leitura do livro e, enquanto naturalmente acontecem, é possível perceber as transformações da personagem e mudança do retrato familiar, da qual vivia afastada, exceto a relação construída com o pai, que é honesta, humana e tocante o suficiente para manter acesa a torcida pelo final feliz.
 
   
 Narrado em primeira pessoa, Claro que te amo! salta aos olhos, destacando o lado belo, humilde e frágil das pessoas. E esses sentimentos provocados pela leitura são justificados pelos ensinamentos e mensagens de conforto que parecem necessários. Não é absolutamente possível prever como as confusões e as armações da Piera terminarão, mas a condução da Tammy para o enredo culmina num desfecho plausível, inesperado e provocador... provocador a ponto de trazer alívio. Com amadurecimento e competência de uma autora consagrada no mercado literário nacional, a Tammy Luciano mistura, em sua obra de ficção, elementos típicos do gênero, não decepcionando na construção e nos diálogos leves, sutis e abertos. A Editora Novo Conceito, também, ganhou pontos com a diagramação, organização do miolo e páginas recheadas de arabescos com marca d’água belíssimas, agregando mais valor ao livro que, definitivamente, é uma obra-prima. Em todos os sentidos.  

     

TAG: Dia da semana em livros

   Vi essa tag no blog Cafeína Literária, mas quem a criou foi a Pam, do Garota It. Ela consiste em escolher um livro para cada dia da semana, conforme a descrição.



  • Domingo
   Um livro que você não quer que termine ou não quis que terminasse


Não quis que terminasse porque me apaixonei pelo Sam e pela sua história de vida. Se você ainda não o leu, o leia! Tem resenha aqui.













  • Segunda
   Um livro que você tem preguiça de começar.
Créditos ao blog Psycho reader

  Não sei o motivo concreto, mas sempre o deixo "pra depois". Acho essa capa linda demais, e a premissa do livro é ótima! Vai entender, né? haha








  • Terça
   Um livro que você empurrou com a barriga ou leu por obrigação

Livros de escola geralmente são lidos por obrigação... um deles que li e não gostei muito foi Helena; talvez por ter o lido rápido ou por não querer ter o lido, ele não me chamou a atenção e eu fiquei com uma péssima impressão da Helena haha.











  • Quarta
   Um livro que você deixou pela metade ou está lendo no momento

Créditos ao blog Além do livro  
Sempre vou citá-lo nessa parte, é inevitável! haha. E os motivos continuam os mesmos... não gostei da mãe dele e ela enrola demais pra explicar coisas que eu raramente consigo entender. Dizem que ele fica bom da metade para o final... eu espero.












  • Quinta
  O livro de quinta. Um livro que você não recomenda.

Créditos ao blog Isn't Mandy Lovely
Os 13 porquês. Podem até me julgar, mas não é um dos meus livros favoritos; a premissa tinha me deixado curiosa, no entanto durante a leitura fiquei receosa. Não sei se é um bom livro pra todo mundo o ler, porque fala do suicídio de uma garota; e ela conta os porquês de ter cometido o mesmo. Parece um tanto quanto depressivo, não me senti tão bem o lendo.



  • Sexta

   Um livro que você quer que chegue logo (lançamento ou compra)

Como não compro mais livros há dois meses já (sim, tô com abstinência haha), e nem tô muito ligada nos lançamentos, vou responder diferente essa pergunta... Vou escolher um livro que eu estou querendo e que foi recém lançado, mas eu terei que esperar para lê-lo, porque a escola não me deixa haha. Estudo Independente, segundo livro da trilogia Teste.











  • Sábado

   Um livro que você quis começar novamente assim que ele terminou.

Jardim de Inverno porque é simplesmente perfeito! Chorei e ri o lendo.















   Não vou taggear ninguém (até porque nem lembro se era necessário haha), mas quem quiser fazer, faz e manda o link nos comentários! :D

 

27 de julho de 2014

TAG: Abrigo Nuclear

Olá, pessoal! Como vocês estão?

Como a falta de inspiração resolveu bater por aqui essa semana, resolvi responder uma TAG - que sempre nos salva nessas situações hahahaha - e a escolhida foi a do Abrigo Nuclear, criada pela Taryne.

“Imagine que uma grande catástrofe vai se abater em breve sobre o planeta Terra e você tem a oportunidade de se esconder em um abrigo nuclear! Cada pessoa que vai parar nesse lugar tem direito a levar apenas 10 livros para compor a biblioteca. Porém, seus escolhidos tem que estar de acordo com algumas categorias…”
1. Um livro clássico que precisa ser lido 

Dom Casmurro - Machado de Assis: Sim, me julguem, mas eu sou leitora assídua, adoro livros nacionais e nunca li Dom Casmurro! Já ouvi tanto falar desse livro que ainda não acredito que sou aparentemente a única que não teve a oportunidade de ler, mas poderei fazê-lo logo graças a minha irmã linda (obrigada Ray! :D).













2. Um livro que está na sua lista de espera faz tempo

Fiquei com o seu número - Sophie Kinsella: Comprei na promoção de 5 por 50 do Submarino no ano passado e preciso começar a ler logo, porque já li O Segredo de Emma Corrigan, da mesma autora, e ameeeei! A Sophie tem uma escrita e tanto e morri de rir com esse outro livro dela - a leitura fluiu tanto que, se eu não me engano, li em apenas dois dias!












3.  Um livro que tem um ótimo "elenco" de personagens

Deixe a neve cair - John Green, Maureen Johnson e Lauren Myracle: Quem já leu Deixe a neve cair sabe do que estou falando, certo? O livro é composto de 3 contos, todos no mesmo dia, com histórias que acabam se "encontrando". Não sei explicar muito bem agora, mas se vocês lerem a resenha que fiz do livro no blog acredito que vão acabar entendendo melhor!











4. Um livro que não sai da sua mesa de cabeceira

O Segredo de Emma Corrigan - Sophie Kinsella: Não tenho muito o hábito de reler livros a não ser que eu realmente tenha gostado muito deles, mas o último livro que reli foi O Segredo de Emma Corrigan, da Sophie Kinsella. Como eu disse anteriormente, gostei muito do livro e é super gostosinho de ler, aliás, recomendo pra quem quer ter o hábito de leitura e quer começar com um livro "levinho".










5. Um livro que te provoca reações físicas

A Culpa é das Estrelas - John Green: Meio previsível, mas acho que o livro que mais me emocionei lendo foi A Culpa é das Estrelas - e Marley e Eu, faz muito tempo que eu li, mas lembro que precisei parar de ler pra secar as lágrimas hahaha. Acredito que eu tenha me emocionado mais com o livro do que o filme, apesar de os dois terem mexido bastante comigo.











6. Um livro que te ganhou pelo título

A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista - Jennifer E. Smith: Ganhou pelo título E pela capa, mas acho que ainda assim vale, certo? hahaha. Não é muito comum ver por aí um livro com um título tão grande e às vezes dá até preguiça de digitar tudo, mas gostei muito muito muito desse livro e quero ler mais uma vez pra matar a saudade.











7. Um livro que te fez pensar sobre ele por vários dias

A menina que não sabia ler - John Harding: Não é que o livro não seja bom, mas que é tenso, é. Peguei emprestado da minha prima achando que seria uma coisa e foi outra totalmente diferente, e a protagonista é meio, digamos... diferente das protagonistas dos outros livros que costumo ler. Não tem uma história muito convencional e foge muito de tudo que eu já li. De qualquer forma, não sei se recomendaria (é sério gente, o livro não é ruim, mas também não é bom... nem sei como explicar, mas acho que vocês já devem ter vivenciado essa sensação de não saber ao certo o que acham de um determinado livro. Né?).







8. Um livro que você acha que todo mundo ia gostar de ler

Eu Sou o Mensageiro - Markus Zusak: Gente, esse livro é tudo, sério. É meu amorzinho desde 2012, foi um dos primeiros livros que eu li e é claro que eu recomendo pra vocês, pros amigos de vocês, pros amigos dos amigos e pro mundo inteiro. Leiam, sério. Tem uma história um pouco diferente do convencional também, mas no sentido bom, e o final te deixa muito surpresa. Recomendo demais demais demais <3








9. Um livro que você leu por obrigação (na escola, faculdade), mas mesmo assim gostou.

Ana Terra - Erico Verissimo: Não é um livro que eu tenha amaaado nem nada do tipo, mas foi um dos poucos livros que li pro colégio e gostei (e como foi o mais recente, decidi colocar na lista). Erico Verissimo sempre representando muito bem a literatura nacional <3











10. Um livro que você amou ganhar de presente.

Cidades de Papel - John Green: Acho que o que eu mais fiquei feliz em ganhar foi Cidades de Papel, do John Green. Não está nem perto do topo dos meus livros preferidos (e sim, eu adorei o livro e tenho grande apreço pelo John, só que achei o final meio frustante :/), mas lembro que era doida pra ler no ano passado e não há sensação melhor pra um leitor quando ele ganha um livro que estava esperando há meeeeses, certo? Tirar da embalagem, se deparar com a capa, cheirar, folhear as páginas... Essencial define, fala sério! haha









Agora eu quero saber de vocêsss! Se houvesse uma grande catástrofe e vocês pudessem levar só 10 livros pra compor uma mini biblioteca, quais vocês levariam? Me falem nos comentários, hein!

Beijos, Isa!

Tour em São Paulo: Museu da Imagem e do Som

Nos últimos dias, quem não ouviu falar da exposição do "Castelo Rá-Tim-Bum" que está rolando lá no MIS? Hoje eu vim aqui apresentar o museu e trazer algumas informações sobre essa exposição, lá vamos nós:
MUSEU DA IMAGEM E DO SOM - MIS
Fundado em 29 de maio de 1970, já vinculada à Secretaria de Estado da Cultura, a instituição imantou a cena artística com iniciativas de sucesso como a Mostra do Audiovisual Paulista e o Festival Internacional de Curtas.O MIS soube oferecer visibilidade e audiência às boas obras de cinema, vídeo, fotografia e música, sem deixar de atender à documentação e conservação de importantes legados artísticos de imagem e som, assim como de história oral. Com 38 anos de existência, o Museu da Imagem e do Som se reinventa e reabre totalmente renovado e preparado para fazer e expor a arte do século 21.
Os ingressos podem ser comprados na bilheteria do Museu, para o mesmo dia da visita.
O MIS está com a exposição do Castelo Rá-Tim-Bum, até o dia 12 de outubro de 2014 e é uma ótima oportunidade para todos os jovens, adultos relembrarem da infância e as crianças viveram dentro do cenário que ainda anima as telinhas. 
Andei pesquisando o conteúdo para esse post e vi que o Castelo Rá-Tim-Bum está passando na TV Cultura todos os dias as 11:30 e também as 19:30. Não é demais? Chega de lenga-lenga e agora vou mostrar para vocês a exposição: 


Tem outras atrações rolando por lá, mas não deu vontade de ir lá matar a saudades da infância? Pois é, estarei indo até lá este mês. Chame os pivetes! Espero que tenham gostado do meu post e vejo vocês em breve. Beijos
25 de julho de 2014

Diário de Viagem: Buenos Aires - dias 1 e 2

Viajar. Conhecer lugares novos, pessoas diferentes e uma cultura desconhecida. Talvez a oitava maravilha do mundo, eu diria, talvez o que eu mais amo fazer no mundo! Seja uma viagem de uma hora para o interior, ou para outro continente, sempre há algo novo e interessante para ver, e por isso eu poderia passar o resto da minha vida viajando!

We Heart It

Bem, desde que voltei do meu intercâmbio, uma vontade fora do normal me invadiu: vontade de conhecer Buenos Aires! O motivo? São alguns, hahahaha. O primeiro eu diria que é a proximidade do Brasil, o segundo é a arquitetura da cidade! É simplesmente magnífica, eu me senti na Europa novamente, e vocês devem saber que eu e a História poderíamos casar e ter quatro filhos, hahahaha. Sou apaixonada por tudo que é antigo, História me fascina de um modo que passo dias lendo meus livros da matéria... Não é incrível saber um pouco mais sobre o que aconteceu há séculos? Aprender sobre civilizações que já foram extintas, ou sobre culturas que acabaram por influenciar a nossa? E a arquitetura? Não é magnífico ver com seus próprios olhos construções que dizem tanto sobre a sociedade e cultura de centenas e centenas de anos atrás? 
Acho melhor eu parar de falar e voltar pros meus motivos para escolher Buenos Aires, hahahahaha.
Bem, o terceiro motivo é a cultura portenha, que apesar de bem parecida com outras ocidentais, e principalmente da América do Sul, ainda contém muitos traços diferentes que fascinam! E o quarto, e de extrema importância, é o preço! Viajar pra Argentina é barato e isso é de interesse público, não? Hahahaha.


Escolhido o destino, chegara a hora de convencer minha mami querida, que por sorte conseguiu mais alguns dias de férias e, na madrugada do dia 18, passamos horas e horas pesquisando hotéis e passagens aéreas, porque oras, viajaríamos 10 dias depois!
Acho que nem devo avisar que viagens devem ser planejadas com muuuuita antecedência, né? Não sigam meu exemplo, hahahahahahaha.
Depois de muito pesquisar, conseguimos uma promoção da Qatar Airways, compramos as passagens pelo Submarino Viagens e reservamos o último quarto do hotel, o Apart Hotel San Diego - que escolhemos primeiramente pela localização: a Recoleta, um dos melhores bairros de Buenos Aires; pela proximidade dos principais pontos turísticos; por ter um metrô há 500 metros; e pelo melhor custo-benefício que encontramos. Ah, reservamos pelo Booking.com.
Ok, passagens compradas, hotel reservado, tudo certo, confirma? NÃO, NÃO CONFIRMA NADA!!!
Agora eu precisava da parte mais legal, e ao mesmo tempo, mais complicadinha: organizar a viagem! Quando eu tenho tempo, prefiro só pesquisar os lugares os quais quero conhecer, e quando chegar no destino, resolver por lá mesmo o que fazer, quando fazer, como... Mas com apenas quatro dias de viagem, ou melhor, três - porque cheguei lá e o relógio marcava 21:35, precisei me organizar muuuuuito! Porém, eu continuo a deixar meu espírito aventureiro no meio disso tudo, e mais tarde vocês vão descobrir o motivo!

O primeiro passo foi comprar um guia - optei pelo da Lonely Planet, como o da foto, só que de Buenos Aires, dãr, hahaha. E por ele, comecei a organizar os três dias de viagem, com passeios, restaurantes, separar tudo bonitinho por regiões, descobrir quais as estações de metrô usar, horário de funcionamento de certos locais, se a entrada é franca ou não, enfim, todas essas coisas, e pasmem: só terminei de arrumar tudinho, no avião!

We Heart It

E falando em avião... Chega de blá blá blá e vamos ao diário propriamente dito!

Dia 1 - Voo, aeroportos e um jantar improvisado.

O problema começou quando o voo era às 17:55, o jogo do Brasil começava ás 13:00 e é preciso estar no aeroporto com NO MÁXIMO duas horas de antecedência para voo internacional. Ok, 15:55 no aeroporto, tranquilo, já que o jogo termina às 15:00, aí é só sair de casa e chegar no horário, né? NÃO! O JOGO FOI PRA PRORROGAÇÃO! Como tudo no jogo indicava que esta seria a conclusão, resolvemos sair antes do jogo terminar mesmo... Saímos forçados de casa, porque queríamos ver o jogo, mas quem tava afim de perder o voo ou enfrentar um overbooking?
Fomos o caminho inteiro escutando pelo rádio, nada de sair gol, nada de NADA ACONTECER!!! Corremos para fazer o check-in - tudo tranquilo, guichê da Qatar praticamente sem filas, e bem, depois nos amontoamos junto a vários outros que se encontravam presos no aeroporto, para assistir aos pênaltis.
Olha, foi uma das maiores emoções da VIDA! Futebol já mexe com o psicológico da pessoa ansiosa que vos fala, e pênaltis me fazem passar mal - sem exageros! Foi incrível pular e vibrar a cada gol feito e a cada defesa do nosso Santo Júlio César, hahaha. 
Fomos eliminados, mas fazer, o que, né? Pelo menos a Argentina não foi campeã, hahahahahaha.

Bom, agora era hora de passar pela PF, raio-x, controle de passaportes e toda aquela chatice - ainda mais porque eu e minha irmã viajamos sem nosso pai, que não conseguiu férias, aí tem que conferir as autorizações de blá blá blá.
Enfim, entramos! Nada de comprar no free shop da ida porque é só mais peso pra carregar, e para completar, o embarque já estava para ser iniciado. 


Acomodadas no avião, decolamos pontualmente às 17:55 rumo às terras portenhas. O voo foi bem tranquilo, com jantar gostoso - milagre, e comissários educados, simpáticos e bem humorados!
Não fiz absolutamente nada durante o voo porque sou uma adepta religiosa ao ócio, mas o avião contava com um ótimo sistema de entretenimento, que roubou a atenção da minha mãe e irmã de mim!
Mas como o tempo do voo é bem curtinho, menos de três horas, não dá nem pra assistir um filme inteiro - por causa do tempo de decolagem, pouso e blá blá blá.
Bem, chegamos e depois de toooooda a questão do aeroporto, o transfer - que contratamos anteriormente por meio do hotel, já estava a nossa disposição no aero!
Estava frio o suficiente para eu desejar todos os cobertores que estivessem ao meu dispor, e olha que eu sou calorenta!

Em certa de 40 minutos chegamos ao hotel, e depois de muito bem acomodadas, precisávamos jantar!
Bem na frente do hotel, três ótimos restaurantes pareciam a solução perfeita, até descobrirmos que todos estavam lotados. Bem, e o Carrefour ao lado dos restaurantes? Fechado. Desoladas e com fome, achamos a luz no fim do túnel com um 25 Horas na esquina da rua do hotel com a Arenales (Rodrigues Peña x Arenales) e o que é um 25 Horas? Seria uma loja de conveniência, que você pode encontrar por toda Buenos Aires, e que vende doces, refrigerantes, sucos, lanches, doces, etc etc etc! Salvou a nossa vida com aqueles lanches prontos e gelados, daqueles bem típicos na Europa, sabem? 

Dia 2 - Centro, San Telmo e muitas bolhas nos pés.

Primeiro dia de viagem oficial e saímos cedo da cama, mesmo com um frio de congelar os pés!
Como o café da manhã é servido em um restaurante fora do hotel - há pouquíssimos metros, bem bonito e com comidas gostosas, nós deixamos tudo pronto para sair pra turistar logo depois de terminar o café, nada de voltar pro hotel!
Comemos nossas medialunas deliciosas e bem, agora é a hora que eu aviso para NINGUÉM USAR MEU ROTEIRO COMO REFERÊNCIA!!! Sou meio maluca e resolvi que percorreríamos o centro e o bairro de San Telmo toooodos a pé, desde nosso hotel na Recoleta! Tudo bem, a cidade é plana e bem organizada, mas os pés reclamam depois... Para isso, descemos até a Av. Santa Fé e seguimos por ela até encontrar com a Av. 09 de Julho, a mais larga do mundo, e então a percorremos passando pelos pontos turísticos - Teatro Colón Obelisco.


Nenhuma das minhas fotos do Teatro ficou boa - porque não atravessei toooooda a avenida para fotografá-lo, mas ele é LINDO! Maravilhoso, enorme, com detalhes incríveis e digno de fazer cair o queixo!
Um pouco mais a frente estava o Obelisco.

Participação especial da minha hermana - e do Messi, hahahahaha.

Se ela souber dessa foto, me mata.


Seguindo o roteiro da maluca que vos fala, deixamos a Av. 09 de Julio e entramos na Tucumán, para então, chegar até a Calle Florida! Conhecida por ser uma rua de comércio, conta com inúmeras marcas e departamentos ao longo de sua extensão, e o shopping Galerías Pacífico, que se localiza em um prédio MARAVILHOSO, com afrescos incríveis no teto!


Me perdoem por fazer a rua parecer uma ladeira, mas to com pregui de nivelar, hahaha.


Depois de muito andar, estendemos nosso roteiro para uma passadinha rápida pela Plaza San Martin, para depois, seguir até a Iglesia Santa Catalina e a Plaza de Mayo!

Plaza San Martin


Como acabamos no caminho inverso, hahahaha, voltamos toooooda a Florida para chegar até a Casa Rosada e a Catedral Metropolitana, mas antes, demos uma passadinha na fofa Iglesia Santa Catalina!


Não me matem, foi proposital cortar o topo da entrada!

Depois de visitar a fofíssima igreja, pegamos alguma rua paralela, a qual não me lembro o nome, e saímos na Plaza de Mayo, bem na frente da linda Catedral Metropolitana de Buenos Aires!


Ela é linda linda linda, enorme, com detalhes minuciosos e por dentro, lotada de esculturas e ainda mais detalhes! Sério, sou fascinada por igrejas e esta me deixou fascinada, não tanto quanto a Catedral de Notre Dame, mas o suficiente para prender meu fôlego ao olhar para cima.
Next stop... Casa Rosada! Mas antes, a linda Plaza de Mayo a percorrer!



Casa Rosada

Depois desta maratona, ainda tinha mais uma: chegar na Feria de San Telmo! Uma feira de antiguidades que há décadas, acontece religiosamente todos os domingos, desde a Plaza Dorrengo, continuando pela Calle Defensa. Segundo meu querido mapa - que abre parênteses, foi o salvador da pátria nesta viagem, sem ele, não sei o que teria sido de mim! Andar por Buenos Aires pode ser fácil, por ser uma cidade plana e com ruas extensas, mas se perder também não é tarefa complicada - ainda mais para mim! Meu mapa veio junto com o guia, mas não deixe de comprar um! - Fecha parênteses, enfim, meu mapa dizia que era só seguir a Av. Passeo Colón, virar na Av. Independencia, e então, chegar até a Calle Defensa

O que eu não contava era com uma avenida tão LINDA! Toda arborizada, com diversos parques e praças. Foi super gostoso andar por lá, em calçadas lotadas de folhas caídas, uma atmosfera de outono em temperaturas de inverno!


Depois de nos perdermos umas três vezes, chegamos a feira, graças ao sagrado mapa!!! 
O bairro de San Telmo se tornou meu favorito de Buenos Aires, talvez por causa da feira - sou maluca por coisas antigas; talvez pelo seu charme; talvez pela arquitetura que revela muito da cultura local; talvez pelos contrastes que encontrei ao compará-lo com o bairro nobre no qual me hospedei; mas com toda a certeza, por toda a cultura, hábitos e rotinas realmente argentinas que por lá encontrei!
Não tirei muitas fotos, justamente por ficar estupefata com todas estas informações, mas ainda tirei algumas fotos da feira mesmo, principalmente na praça - e também porque como a feira só ocorre nos domingos, ela estava lotada, e eu não queria parar a passagem de ninguém para tirar fotos, sério, não ia ser muito legal não, porque tava lotada MESMO.



E adivinhem só o que aconteceu? Isso mesmo, depois de almoçar na Starbucks - por ser o único lugar que não estava com lotação máxima, hahahaha, tentamos encontrar a Estátua da Mafalda, mas não a encontramos porque nos perdemos no mapa, é, isso mesmo. Aí andamos muito muito muito até encontrar o metrô, e a essa altura, meus pés já não sabiam distinguir o que era pele e o que era bolha! Mesmo com a minha bota mais confortável, foi complicado aguentar os mais de 10km que andamos naquele primeiro de Julho...

Enfim, chegamos no hotel, atravessamos a rua para comprar pacotes de miojo - o cansaço não deixava ninguém sair e jantar comida decente, era impossível. Comemos nossos miojos e nada mais nos importava, apenas a cama.

Dicas Úteis

Ter sempre um mapa com você
Ter também o mapa do metrô
Não ter vergonha de pedir informação
Fazer um roteiro de viagem
NÃO SEGUIR O MEU ROTEIRO

É isso, espero que tenham gostado, e até o próximo post!
Beijos, Camille.