Sobre nós

Curta!

Seguidores

Twitter

Siga por e-mail

Siga!

Eu leio Brasil

Pai bárbaro

Loja do leitor

Meise está lendo

Isadora está lendo

Favoritos de Meise

Favoritos de Isadora

Tecnologia do Blogger.

Link us

Viciadas em Livros

Arquivo do blog

28 de agosto de 2015

Sebo, por que não?


Infelizmente, muitas pessoas ainda tem um certo preconceito com sebos. Muitos associam a coisas velhas...
Não é beem isso!
Um sebo é um espaço de tanta cultura, que é até difícil falar... Existem livros usados, obviamente, mas muitos em ótimo estado e com preços muito acessíveis. E inúmeros sebos contam com um acervo de discos, cds, posters e outros utensílios ligados a leitura ou música.
Vamos combinar que a maioria tem um espaço meio desorganizado hahaha mas existe um código em cada um. Geralmente vem marcado uma letra no livro (A,B,C,D) e sempre tem uma plaquinha em cada estante com uma legenda para essas letras.
Já visitei um sebo em São Paulo (não me recordo o nome), que era tão organizado, que nem parecia um sebo...Aqui onde moro tem um, que tem aqueles corredores que a gente tem que andar de lado, de tanto livro e pouco espaço...

Prós de se comprar em um sebo:
-> Preço. Esse é o item mais óbvio.
-> Diversidade. Tudo quanto é livro, para todos os gostos.
-> Raros. Ta difícil encontrar um livro nas lojas online e nas livrarias ? (muitos vendem só livros "da moda") o sebo é o lugar certo para encontrar livros antigos e difíceis de encontrar.
-> Livros novos também. Existem muitos sebos que trabalham com novos e usados.

Contras:
-> Ache o Wally. Quer ir a um sebo? reserve um bom para isso. Como já citei, alguns são bem desorganizados, mas nada que te impeça de procurar e conhecer novos títulos
-> Espaço. Alguns são bem pequenos, o que dificulta andar mais de uma pessoa no mesmo corredor.

Sempre vale a pena pesquisar. Já comprei muito em sebo, livros em ótimo estado de conservação,
Nada de PRECONCEITO!

Corre pro sebo mais próximo e vai conferir como é !





25 de agosto de 2015

Resenha: Fique onde está e então corra!




"Em meio às tragédias da Primeira Guerra Mundial, o amor é a única arma de um garoto para curar seu pai.
Alfie Summerfield nunca se esqueceu de seu aniversário de cinco anos. Quase nenhum amigo dele pôde ir à festa, e os adultos pareciam preocupados, enquanto alguns tentavam se convencer de que tudo estaria resolvido antes do Natal, sua avó não parava de repetir que eles estavam todos perdidos. Alfie ainda não entendia direito o que estava acontecendo, mas a Primeira Guerra Mundial tinha acabado de começar.
Seu pai logo se alistou para o combate, e depois de quatro longos anos Alfie já não recebia mais notícias de seu paradeiro. Até que um dia o garoto descobre uma pista indicando que talvez o pai estivesse mais perto do que ele imaginava. Determinado, Alfie mobilizará todas suas forças para trazê-lo de volta para casa."


O que eu achei:
É uma leitura leve e gostosa... É um livro para se ler em um dia, no máximo dois. É bem curtinho e a história me prendeu bastante!
Alfie se tornou um menino decidido a se tornar o homem da casa, logo depois o episódio do aniversário , que coincidiu com o início da guerra. Herdou a coragem de seu pai, que foi um dos primeiros voluntários para servir a pátria... Sua casa vive cercada de pessoas intrometidas e que o menino não gosta muito, mas que no fundo preenchem o vazio deixado por seu pai.

Quando ele descobre a verdade, o que realmente aconteceu com seu pai, ele se sente na obrigação de resgatá-lo e trazê-lo de volta para casa.

O livro é de brochura, tem 224 páginas e custa R$23,90 na submarino, mas tem uma versão pdf para quem quiser!













21 de agosto de 2015

Dica de App: Right Click

Hoje estou aqui para falar desse aplicativo que descobri em uma madrugada: o Right Click!


Todos conhecem o CameraSim, certo? Que simula o controle manual de uma DSLR e sim, eu fico brincando de tirar foto com abertura assim, exposição assado e ISO desse ou daquele jeito o dia inteiro se ninguém me impedir. Só que eu queria o app no meu celular, e foi aí que eu descobri que a plataforma não é válida para Android - tenho um Samsung mesmo não por gostar de Android, muito pelo contrário, mas porque compro uma 60D pelo preço de um iPhone, e quase chorei. Mentira. Baixei o primeiro aplicativo recomendado mesmo, o Right Click!

Ele é um aplicativo educativo que tem como proposta ensinar, de maneira dinâmica e o mais prática possível, os conceitos básicos da fotografia e falar sobre os principais estilos de fotografia. Achei divertido e bem dinâmico, principalmente para uma pessoa como eu, que sempre vai ter problema com grandezas inversamente proporcionais em todos os campos possíveis de atuação. Tipo abertura do diafragma!!!! Mas juro que já aprendi. 

O aplicativo é assim, ó:

No primeiro você brinca com os conceitos, aí aprende sobre eles no segundo, e aprende sobre estilos fotográficos no terceiro!

Vamos por partes: logo que você clica no primeiro, essa tela aprece, simulando o modo manual de um DSLR:


Dá pra controlar a velocidade do obturador - Shutter Speed; a abertura do diafragma - Aperture; e o ISO também.

                                                                  Velocidade do obturador.

                                                               Abertura do diafragma.

                                                                                ISO

Divertido, né? Agora, no segundo quadradinho, hahahaha, tem a parte técnica do negócio! Você pode ler sobre ISO, abertura do diafragma, balanço de branco, velocidade do obturador.



Depois de escolher uma das opções, no caso, Velocidade do Obturador, você tem acesso a um resumo muito bem explicado e didático sobre o assunto!

Sabe o view ali em cima? Clicando nele, você é redirecionado àquela tela pra brincar com a velocidade do obturador!

Chegando no terceiro - e último, tópico, temos os estilos fotográficos! Fotografia de paisagens, em modo macro, em HDR, retratos, a famosa regra dos terços e fotografia de esportes/objetos em movimento, são tratados aqui!


Em Macro, por exemplo, porque eu amo usar e abusar do macro, temos um resumo bem explicado sobre o que é, como utilizar, lentes, etc, etc!





7 de agosto de 2015

Dica de Filme: A Teoria de Tudo

Não sei se mais chorei ou sorri durante este filme. Ah esse sentimento agridoce. 
Depois dele até descobri que tenho um exemplar de Uma Breve História Sobre o Tempo em casa e o coloquei na Meta de Leitura desse ano.



A Teoria de Tudo é um filme baseado na história real de Stephen Hawking e Jane Wild, sua primeira esposa, e narra os acontecimentos que se iniciam quando os dois se conhecem, aos 21 anos, até a separação.

Stephen Hawking, físico britânico responsável por incontáveis pesquisas e avanços no campo da astrofísica - como a teoria dos buracos negros, descobriu, aos 21 anos, possuir esclerose lateral amiotrófica, uma doença capaz de, aos poucos, limitar seus movimentos através da degeneração de neurônios motores. Lembram do desafio do balde de gelo? Ironicamente, a doença não afeta as atividades cerebrais e, sendo assim, Hawking continua a desenvolver teorias brilhantes ao longo de sua vida, mesmo que preso a uma cadeira de rodas e se comunicando apenas por meio de um computador capaz de dar voz ao que lhe é escrito.

O filme passa por momentos fofos na faculdade, o diagnóstico de esclerose lateral amiotrófica de Stephen, o casamento, as pesquisas e descobertas, os filhos, as alegrias e, principalmente, as dificuldades.
Assisti-lo é um misto de emoções e de situações que te fazem sentir uma empatia imensa tanto pela Jane, quanto pelo Stephen. Empatia porque a construção do filme - trilha sonora, fotografia, diálogos, tudo é feito de maneira a te quase fazer sentir como se estivesse ali, a cada dia com mais dificuldades para se expressar, a cada dia se desdobrando ainda mais para cuidar do marido doente, dos filhos, da casa e da sua vida pessoal.

Vale a pena conhecer todo o backstage da vida do físico que revolucionou muitas das concepções da ciência, enxergar as limitações e ter aquele baque de realidade: às vezes, nós só precisamos de um pouco mais determinação. De força de vontade. De curiosidade. De sonhos a perseguir. Afinal, o que somos nós sem a capacidade de projetar o futuro? Quem somos nós sem nossos sonhos e planos para o amanhã? Quem somos nós quando deixamos as circunstâncias tirarem tudo do que construímos e quem somos nós quando resistimos a tudo isso?

P.S: Vocês já leram o livro que inspirou o filme? Contem nos comentários porque eu estou louca para ler!